Ailton Vilela Primo
Prosas, versos e crônicas frutos de uma alma inquieta e livre.
Textos
MUITA VAIDADE POUCO JUIZO

Custa-me crer na extensão da maldade humana. Já não bastasse a dificuldade da situação, ainda há aqueles que tiram vantagens pessoais da desgraça alheia. Existem seres humanos abjetos, inqualificáveis que se utilizam da situação dramática que o mundo vive para auferir grandes lucros e dividendos econômicos e políticos não importa a que custo, e com que consequências. Alheios ao sofrimento de milhares de famílias, governantes, políticos, e grandes corporações se engalfinham numa frenética disputa para ver quem realmente é o “Pai da solução”. Laboratório disputa com laboratório pela paternidade da vacina mais eficaz. Não pelo fato de salvar vidas, isso é o de menos. Mas, para ver quem consegue abocanhar a maior porção dos bilhões de dólares que serão pagos por elas. Discussões inúteis e estéreis se prolongam por tempo demasiado no que se refere a aplicar o tratamento precoce, com utilização das drogas já existentes, sejam elas de efeito cientificamente comprovados ou não, isso não faz diferença. As drogas discutidas já são usadas há séculos, com um grau bem aceitável de segurança. De modo que mal dificilmente farão. Estão gastando tempo e energia para convencer os crédulos a desistir destas drogas, e isso é bobagem. Quem quiser usar e prescrever que o faça. No mínimo reforçará o lado psicológico das pessoas que acreditam. Outra coisa é a disseminação do pânico, do terror feito pelos contabilistas de mortes e de hospitais colapsados, e distribuída pela imprensa que há mais de ano se tornou quase monotemática. Parecem querer manter a população no grau máximo de stress e medo. Isso não ajuda em nada. Aliás serve ao objetivo eleitoral de muitos políticos que se vendem por aí como os prováveis salvadores da pátria. Prefeitos, governadores, congressistas, batem cabeça com proposições diferentes e algumas disparatadas e inúteis, para se manter sob os holofotes, visando popularidade e votos. A preocupação com a vida e o bem estar dos seres humanos tem tido papel secundário nessa corrida desenfreada, perdendo espaço para a vaidade e a mediocridade dos governantes. A procura por culpados é incessante. Mas, nem isso é importante. O principal é que todos os envolvidos parem de olhar para o próprio umbigo e se concentrem em resolver o problema da pandemia. E não se valerem dela para proveito próprio e de seus grupos políticos. O pano de fundo tem sido as próximas eleições, e não há preocupação séria quanto às próximas gerações. Tem cacique demais nessa tribo, é preciso unificar e uniformizar as ações de combate ao inimigo. As batalhas tem sido muito desconexas, isso retarda e dificulta a vitória. Que os céus mandem mais juízo e menos vaidade aos homens.
Al Primo
Enviado por Al Primo em 16/03/2021
Comentários
Site do Escritor criado por Recanto das Letras