Ailton Vilela Primo
Prosas, versos e crônicas frutos de uma alma inquieta e livre.
Textos
JÁ NÃO TARDA

Meus olhos se viram

No espelho do quarto

Cansados, entristecidos

Tão cheio de marcas

Por tanto tempo perdido

Homens insanos e insensatos

Manuseiam os cordões

Nós, marionetes de sempre

Alheios à própria vontade

Repetimos falas e gestos

De maestros venais e desonestos

Somos bonecos de ventríloquos.

Mas chegará, e já não tarda

O levante das mentes conscientes

O basta, em alto e bom som

Só dependerá de nós

Romperemos os liames,

Teremos nossa própria voz.

AVP-11/03/2021
Al Primo
Enviado por Al Primo em 11/03/2021
Comentários
Site do Escritor criado por Recanto das Letras